quarta-feira, 28 de junho de 2017

Aasimov


A família Aasimov,  é tão  antiga em Yudem quanto os próprios Yudenack,  Os Aasimov em Arton sul eram uma família de magos  especializados em construção de  golens. Eles   buscavam por  gerações formas de criar golens com pensamento e inteligentes, e em alguns casos conseguiram.
Quando a guerra terminou, a família que apoiara o lado perdedor acompanhou os exilados, sempre muito militaristas eles acabaram se reunido  aos dissidentes de Deheon que fo
O lider  da Familia é o Lorde Casai Aasimov, Conde Asimov,
rmaram Yuden. Apesar de  seus feitos a busca por aprimorar as criações é uma obsessão para a família, que nos últimos anos produziu novos modelos de Golens. Lorde Asimov possui dois filhos Isaak e Yudovich  que são comandantes treinados no Centro de Treinamento. Ambos são encantadores competentes, mas  a grande  encantadora  da Familia é a filha mais nova Ozimov.
Os Yazimov tem pesquisado formas de colocar seus  espiritos em corpos de golens criando assim Golens  sencientes. Esses golens perdem sua mente se tornando  um novo tipo de criatura. Para os yasimov isso é um fracasso, eles desejam criar um Golem senciente que  se lembre do que era. Duas tentativas quase deram certo,  mas os golens ficaram insanos e tiveram de ser destruídos.

Soldados de elite de Aasimov
Golens sencientes de Aasimov

Aasimov Meio construtos
Meio Golens

Dragão Spectral


Com o retorno do  terceiro, alguns dragões do passado  voltaram a vida em seus antigos covis, onde no passado haviam sido destruídos. Alguns Dragões retornam como  bestas insanas, sem nenhuma habilidade mental apenas ódio e destruição para aqueles que adentram em seus antigos covis. Outros retornam com sua mente intacta, esses são os piores presos a alguma parte de seu tesouro  surgem aleatoriamente pelos reinos reclamando o que era seu... Alguns surgem divididos, como espectros ligados a uma única vontade,  sendo apenas sombras do que  outrora foram.

o modelo fantasma pode ser encontrado aqui http://knightofhammer.blogspot.com.br/2009/12/fantasma.html