sexta-feira, 14 de abril de 2017

Yuden: Uma guerra civil



Com a queda do principe Miktov,  o exercito de uma nação sofreu um grande baque. Por gerações a crença  na liderança e força dos Yudenach guiou e foi o norte do exercito e da nobreza local. Casamentos entre os lordes  locais e os membros da família Yudenack eram comuns, e  isso dava prestigio e   posições de influencia no exercito. Não é de  se espantar que a saída de Miktov tenha gerado uma faísca de rebelião nas tropas.
Por outro lado, Shivara deuAcesso a postos no exercito a militares que mereciam seus postos, não apenas por laços de casamento aos Yudenach (o que gerou descontentamento aos membros da família e a muitos lideres de tropas). Como rainha de  dois Reinos e  Esposa de Miktov, Shivara, viveu em Yuden por um Breve período. A sua presença mantinha as línguas rebeldes  quietas, e apenas sussurros e fofocas existiam. Mas ao se tornar  Suprema  Rainha do Reinado,  Shivara  se mudou para Deheon, e nomeou um regente  Tanto para  Trebruck  quanto para Yuden. Em Yuden esse regente  não era um Yudenach.  


O inicio:

Conforme o tempo passava, as línguas  se tornavam mais afiadas. Soldados passaram a afirmar seus descontentamentos quanto a rainha em tavernas por todo o reino, enquanto outros defendiam a rainha. Membros de tropas leias aos Yudenack passaram a cada dia mais deixar seus descontentamentos visíveis enquanto leais a outros  nobres defendiam a rainha. Apos alguns meses isso começou a gerar brigas em Tavernas. O clero de Keen também se dividiu.
Ao mesmo tempo as intrigas na corte se acentuaram, na capital  duas tentativas de   assassinato foram impedidas contra o  regente, que se tornou  paranóico. Shivara, em Deheon foi atacada por um membro dos  Filhos do Leopardo, mas a tentativa de assassinato falhou.
A nobreza de Drekellar, no  norte, enviou uma carta ao Regente, exigindo que o reino  retornasse ao controle dos Yudenack, junto com a carta, Foram enviados os corpos de  capitães e sargentos leais a Shyvara, que haviam se  Recusado a se unir aos autodenominados puristas. O mote dos puristas, era Yuden aos Yudenack.
Os nobres de Drekellar, ergueram a bandeira e convocaram  os leais a família  Yudenack de toda a Yuden a se  rebelar. Os nobres  leais a  Shivara da fronteira de Salistick a Namalkah foram Assassinados naquela mesma noite.  Algumas exceções são notáveis, mas esses nobres  Namalkah.
Os generais de Warton, temendo que a cidade  se  destruísse em uma batalha interna, liberaram ser retaliação, todos os  soldados que fossem de Tropas  leais a Miktov, para que se retornassem a seus lares. Um quarto da  população local era de militares em treinamento,   dois terços dos militares locais partiram,   um terço sendo de puristas, e um terço de legalistas (que eram os pro Shivara) retornando  para seus lares.
Em  kannillar  por  dois meses escaramuças dentro da cidade aconteceram entre Puristas e legalistas, os legalistas conseguiram  isolar os puristas em 2 distritos da cidade, e o regente preferiu entrar num acordo no qual  permitia livre passagem aos puristas que desejassem sair da cidade.
Thorwell e Gavanir  e  os nobres da Região fronteira com Bielefeld e  União Púrpura, foram muito beneficiados  nos últimos anos com a relação mais  amigável tanto com Deheon quanto com Bielefeld, assim não foi Estranho notar que esses nobres Estivessem com uma  grande força  legalista pró Shivara, com a exceção de um único Lorde, membro da Familia Yudenack e primo  de Miktov. O fato é que esse lorde possui um quarto de todas as tropas da região e  como suas terras  ficam próximas a fronteira  tanto da União Púrpura como de  Bielefeld, ele acaba se tornando uma ameaça  maior , afinal se os legalistas do sul forem pro norte,  Eles poderão ser atacados pelas costas pelo Duque Arnold Yudenack.
Na antiga  Kor  Kovith, Legalistas e Puristas   se digladiam por semanas, um dos nobres Local, clamando por neutralidade,  convenço  a ambos os lados ver as ações que a guerra leva, enquanto isso ele   começa a  influencias as tropas para um levante  contra Yuden em busca da Libertação de  Kor Kpvoth.
No oeste, os nobres Yudeanos  se degladiam na antiga Svalas, e  no terceiro mês da guerra civil,  a  Floresta Svalas  avança, entes, arvores caminhantes e druidas além dos  homens planta  retomam a antiga fronteira de Svalas até as charnecas.  formando dentro da nova fronteira  imensos vales férteis mas ao mesmo tempo retomando Svalas. Nenhuma reivindicação formal é feita, e o nobres Yudeanos que  sobrevivem aos conflitos percebem que a floresta que os separa de seus vizinhos antagonistas, tem muitos  perigos a espreita. Assim a floresta define estradas, e locais de plantio e  se torna o maior medo da nobreza local que prefere não enfrentar a floresta viva.

Conclusão?
A guerra civil em Yudem dura cerca de um ano, epossui os seguintes finais possiveis:
Os legalistas vencem.
Os Puristas Vencem
Kor  kovith se rebela e aproveita a fraqueza de Yuden para se  emancipar novamente.
A rebelião de  Kor Kovith é esmagada  pelo vencedor da guerra
A Floresta de Svalas  jamais se move
Svalas nunca se torna um reino independente, apesar de ser vista como maldita por Yuden com o tempo as pessoas se acostumam com a nova posição da floresta. O fato de   ter Tantos druidas e os homens plantas atacarem sempre que tentam destruir a floresta torna o local mal falado. O fato do exercito de uma nação ter se enfraquecido  garante por alguns anos que a floresta fique intacta e com o tempo as pessoas se acostumam com a mudança     
estão isolados, e se mantém apenas por suas alianças com amigos tanto de Salistick quanto de