quinta-feira, 18 de outubro de 2018

Telkershentezzerthensherthelsen e Selene

Selene olhou para o dragão.
A jovem nascida em uma pequena vila do sul de Deheon jamais imaginou que chegaria tão perto de uma criatura tão imponente. Sentiu se fascinada por ele no momento que o viu. Telkershentezzerthensherthelsen era um dragão azul jovem. E a menina humana era a primeira que ele via que não corria desesperada para longe dele. E isso o deixava confuso. Todos os humanóides que vira em sua vida tinham apenas dois tipos de reação. Fugir ou lutar.
Mas aquela jovem, de olhos tão azuis quanto suas escamas, de cabelos loiros e lábios tão vermelhos quanto as rosas o intrigava. Ele pousou a seu lado e ela o olhava de uma forma que ele nunca foi olhado antes, sem medo, sem ódio, somente admiração. Ele via no olhar dela que ela o admirava como algo belo e poderoso, mas sem medo, sem receio. E isso era estranho.
Tellker assumiu sua forma humanóide, normalmente dragões possuem  sua forma humanóide  como sendo uma forma humana ou élfica. Mas Tellker havia  escolhido uma forma humanóide diferente, ele escolhera a muito que sua forma humanóide seria a de um dos Grimm. Sua forma humanóide possuía penas de águia. Sua cabeça terminava em um grande bico. Sua face era a face de uma águia. E seu corpo era humanóide com  mãos que pareciam as garras de uma ave. Tinha penas  brancas na   face mas seu corpo era coberto de penas preto azuladas.
Selene olhava para Tellker em sua nova forma, a admiração crescia em seus olhos. Tellker também passou a admirar a beleza da fêmea humana.  E naquele momento um elo se formou.
Tellker e a jovem humana começaram a construir laços que durariam séculos.
Mas naquela semana Tellker e Selene  conversaram. Selene não era de nobreza mas era uma jovem de inteligência acima da media. Era uma poetiza, escrevia  bons contos e possuía uma bela voz. Naquele momento do final de sua adolescência, pois estava com 17 anos,ainda não era uma barda. Tellker contou sobre os lugares por onde viajava. Sobre regiões remotas e sobre a vida nas nuvens. E assim começou algo,algo que era mais que uma amizade, um amor tão puro que por cerca de  um ano Tellker não voltou a  voar. Não retornou a sua forma de  dragão. Viveu na vila humana como se fosse apenas um Grimm sem lar.
O pai de Selene  era um agricultor, as mão fortes do Grimm Eram uma boa ajuda para  lavrar a terra. A mãe de  Selene, era uma ex aventureira uma barda, que  ensinava a filha sobre musica quando tinham tempo. Aquele ano foi a primeira vez que Tellken sobre o que era a felicidade, sem precisar dominar nada. Tellker se tornou amigo de todos, construiu junto com os irmãos e o pai de Selene uma  casa para si. E quando a casa estava pronta resolveu partir, para buscar sua “herança” para decorar a casa. Tellker  deixou a fazenda, mas  não sem antes consumar seu amor com Selene.
Sellker retornou messes depois. Selene estava grávida, a jovem ainda ficava mais linda com uma imensa barriga de parturiente.  Sellker trouxe tesouros. Comprou e mobiliou a casa de sua amada. Quando lobos ou monstros  surgiram na região, Sellker os fazia desaparecer misteriosamente. Historias sobre um  Dragão a noite, salvando   rebanhos foram ouvidas até mesmo em Valkaria. Mas quem acreditaria que um dragão  devoraria um bando de goblins e deixaria  rebanhos intocados?
Grimm
Quando as crianças nasceram, as coisas complicaram. Os  filhos de Selene e Sellker eram tão humanos quanto a mãe nos  seus primeiros dias, mas conforme  cresciam  traços draconicos se apresentavam.   Com o tempo ficou impossível esconder da  família de Selene que  ele era um dragão.
O tempo passou e  tanto Tellken quanto as crianças cresceram, e não apenas as crianças começaram a apresentar sinais dracônicos, mas Tellken secretamente alterara sua esposa para traços draconicos. Tellken jamais fizera mal a nenhum  cidadão de Deheon, mas o medo dos  vizinhos acabou por atrair aventureiros.
Em uma certa noite Tellken sua esposa e seus filhos tiveram de fugir de seu lar, por  “heróis” surgiram para pilhar os despojos do  “terrível” dragão e tomar seu covil...
Contam as lendas que Tellken e sua família   alçaram os céus e  atualmente vivem em uma nuvem solida vagante. Dizem que Selene as vezes surge em algumas tavernas e canta  contos sobre seu “heróico marido” que nunca deixou de proteger as terras de seu sogro.
Mas essa é apenas mais uma historia de Taverna.



quarta-feira, 17 de outubro de 2018

Um dia de Aula


Auren ergueu sua espada. Segurou a empunhadura com as duas mãos. Auren respirou fundo. Moveu o pé esquerdo para trás e retesou as musculaturas dos ombros. Apoiou o peso na perna da frente e deu um giro, golpeando com a lâmina na altura dos ombros. O golpe  poderoso poderia ter decapitado um búfalo. Ele terminou o movimento com uma ombrada para frente e soltando um berro de urso.
Auren moveu o punho da espada, erguendo a empunhadura acima de sua cabeça. A ponta  da lamina em diagonal  terminava abaixo de seus ombros. Em uma posição transversal criando uma guarda defensiva, enquanto ele alterava o equilíbrio entre as pernas.
Aurem olhou ao redor, o suor corria em sua face. Ele recuou, golpeando para trás. O golpe em um giro pleno, cortou o ar fazendo um zumbindo. Girando em seus tornozelos, o jovem guerreiro de cabelos curtos e barba bem feita, usando uma armadura de couro recomeça o kata.

Auren novamente  ergueu sua espada. Segurou novamente a empunhadura com as duas mãos, mas dessa vez invertendo as posições das mesmas. Auren respirou fundo duas vezes, sugando o ar e expirando profundamente. Moveu o pé direito para trás e retesou as musculaturas dos ombros e costas. Apoiou o peso na perna da frente, a perna esquerda e deu um giro em sentido anti-horário, golpeando com a lâmina na altura dos ombros. O golpe  poderoso poderia novamente  ter decapitado um búfalo. Ele terminou o movimento com uma ombrada para frente com o ombro que anteriormente não havia usado e soltando um urro de urso.
Movendo-se  novamente Auren percebeu com o movimento  de um de seus colegas.
Auren moveu o punho da espada, erguendo novamente a empunhadura acima de sua cabeça. A ponta  da lamina em diagonal  terminava abaixo de seus ombros, um pouco mais baixa, melhorando a guarda defensiva, enquanto ele alterava o equilíbrio entre as pernas.
Aurem olhou ao redor, o suor em maior quantidade caia sobre seus olhos e escorria por toda sua face. Ele recuou, novamente golpeando para trás. O golpe em um giro pleno, cortou o ar fazendo um zumbindo. Desta vez o movimento da lâmina foi interrompido por um escudo. O som do aço  atingindo a madeira ecoou pelo pátio da escola de combate.
Não era incomum que  Rider Maximus, um dos professores da arena, entrasse nos  katas. O fato é que num combate real um kata é como um balé, ineficaz para  dizer o mínimo. Mas era a base para alfabetização da musculatura. Essa sim era extremamente importante para os combatentes.  Em um combate real, os movimentos de um combatente devem ser quase autônomos.  Antes mesmo de pensar o movimento que vem contra si a musculatura deve automaticamente mover-se para o contra golpe ou esquiva. Senão  será tarde demais.

Rider Maximus, um imenso minotauro , Vestia uma meia armadura, em seu braço um imenso escudo de corpo. O escudo Bloqueou o golpe de Auren,  enquanto começava o movimento  de araque com a espada curta. Auren  girou para a direita,  continuando o movimento que vinha com o bloqueio do  escudo, e moveu a  espada  rapidamente para cima,  parando o movimento do  gládio. O minotauro puxou o gládio para trás, movendo se lentamente para a direita.  Auren Moveu-se para trás, pondo a  espada em posição de guarda, procurando uma abertura na guarda do minotauro. Maximus era um guerreiro treinado. Moveu-se Lentamente para a direita e abriu sua guarda propositalmente. Auren imediatamente investiu para o ponto aberto com um gole  rápido e efetivo.
O minotauro experiente bloqueou o golpe com uma pressão do escudo com o gládio e com um  movimento simples, removeu  a espada das mãos de Auren.
O sorriso se formou no rosto do minotauro. Um sorriso que sumiu ao sentir o soco do guerreiro humano em  seu estomago. Um golpe rápido e forte que teria derrubado um humano mais fraco.  O minotauro  sorriu, seu sorriso se tornou uma gargalhada. Eventualmente era surpreendido por um aluno. Era a quarta vez que Auren o surpreendia.
O movimento da espada havia sido um blefe, uma artimanha pra  buscar um movimento especifico, uma finta. Uma finta de um aprendiz em treinamento   era o sinal de que o aprendiz  se destacava acima da media,  uma finta que atingia Maximus era um sinal que no futuro esse guerreiro, se não fosse uma benção de Nimb seria um poderoso  guerreiro no futuro.


O inicio da guerra


Lembro da batalha. Foi a muitos anos e eu era um jovem.
Era apenas um pajem.
Eles chegaram pela manhã.
O horizonte ficou negro. Eram tantos. Eram Yudeanos.
Dias antes o alerta de  ataque havia sido dado na fronteira. Um flash de luz iluminou o céu, lançado por um templo de Khalmyr que ficava na fronteira. Lembro de ter ficado animado, todos os pajens ficaram. Seria nossa  chance de combater, de nos tornarmos guerreiros e soldados.  Nós não sabíamos mas fomos tolos, e alguns de nós não viveriam para contar a história.
Os yudeanos com suas armas de cerco, destruíram o portão principal no primeiro ataque. Esperavam que a resistência da cidade fosse fraca, que o povo se rendesse conforma suas tropas passavam pelo portão destruído e exterminassem todos da cidade. Ou ao menos exterminassem todos os não humanos do reino. Creio que imaginavam que iriam  exterminar elfos, anões e minotauros, escravizar os goblins...
O que eles  encontraram foi um  parede de escudos  bem organizada, encontraram pedras e magia  lançadas da muralhas, encontraram flechas e morte.
eu estava  na  segunda fileira  da parede de escudos, vi  soldados, guerreiros e cavaleiros  enfrentando o exercito purista. Senti o cheiro do sangue dos mortos sendo absorvido pelo chão e ouvi os gritos dos feridos e moribundos.

Vi  meus amigos serem mortos. Mas eu sobrevivi ao primeiro  combate. A primeira batalha.
Sir Argent, me nomeou cavaleiro naquela manhã, assim como a outros cem escudeiros. Nós tínhamos passado pelo primeiro combate e sobrevivido.  Eu ainda me lembro dos  olhos dos jovens puristas quando minha lança os atingia. Era um misto de dor e surpresa, e depois entendimento, a compreensão que a morte  chegou. Naquela manha eu havia matado  trinta outros jovens. E não me arrependia, pois estava defendendo o meu lar...
Foram vários dias de combate. De  fogo, gritos e dor, até que o bando de  Klunk o bárbaro chegou e sabotou os golens inimigos. As tropas dos cavaleiros da  luz chegaram, Heróis vindos de toda a Bielefeld surgiram. E os puristas foram derrotados.
Mas a guerra não terminou com essa batalha, os puristas  se dirigiram pro sul caçando os não humanos e qualquer um que  os ajudasse, destruíram o bosque do Fiz Grimm. Derrubaram matas e mataram não humanos.  
Esse foi o inicio da guerra.
A guerra que mudou arton.

terça-feira, 16 de outubro de 2018

Forjados Belicos de Yuden


Forjado bélico  Guerreiro 1
Construto, médio Neutro ND 1/3
Iniciativa+5
Sentidos: Percepção +0
Classe de Armadura: 13.
Pontos de Vida: 24.
Resistências: Fort +6, Ref +1, Von +0
Deslocamento: 9m.
Ataques Corpo-a-Corpo Maça Pneumática +5 1d8+6, Pancada: 1d4+4
Habilidades: For 19, Des 12, Con 19, Int 13, Sab 10, Car 6.
Talentos: duro de Ferir
Pericias treinadas: Iniciativa, Atletismo, Intimidação

Forjado bélico  Guerreiro 2
Construto, médio Neutro ND 1/2
Iniciativa+6
Sentidos: Percepção +1
Classe de Armadura: 19.
Pontos de Vida: 33
Resistências: Fort +7, Ref +2, Von +1
Deslocamento: 9m.
Ataques Corpo-a-Corpo Maça Pneumática +6 1d8+7, Pancada: 1d4+4
Habilidades: For 20, Des 12, Con 19, Int 13, Sab 10, Car 6.
Talentos: Duro de Ferir,  Chapeamento aprimorado
Pericias treinadas: Iniciativa, Atletismo, Intimidação

Forjado bélico  Guerreiro 3
Construto, médio Neutro ND 1/3
Iniciativa+5
Sentidos: Percepção +0
Classe de Armadura: 19.
Pontos de Vida: 42.
Resistências: Fort +7, Ref +2, Von +1
Deslocamento: 9m.
Ataques Corpo-a-Corpo Maça Pneumática +7 1d8+7, Pancada: 1d4+4
Habilidades: For 19, Des 12, Con 19, Int 13, Sab 10, Car 6.
Talentos: duro de Ferir. Chapeamento aprimorado, Rigidez Raivosa


Forjado bélico  Guerreiro 4
Construto, médio Neutro ND 1/2
Iniciativa+5
Sentidos: Percepção +0
Classe de Armadura: 20.
Pontos de Vida: 55.
Resistências: Fort +8, Ref +3, Von +2
Deslocamento: 9m.
Ataques Corpo-a-Corpo Maça Pneumática +8 1d8+9, Pancada: 1d4+4
Habilidades: For 20, Des 12, Con 20, Int 13, Sab 10, Car 6.
Talentos: Duro de Ferir,  Chapeamento aprimorado
Pericias treinadas: Iniciativa, Atletismo, Intimidação, rigidez raivosa


• +4 em Constituição, +2 em Força e -2 em Carisma. Forjados bélicos são muitos resistentes, fortes, mas carecem de trato social.
• Construtos Vivos. Forjados bélicos são membros de um tipo exclusivo, os Construtos Vivos, que possui certas características dos tipos Construto e Humanoide, que são descritos a seguir.
-- Diferentes de Construtos, os forjados bélicos têm valor de Constituição.
-- Diferentes de Construtos, os forjados bélicos não recebem Pontos de Vidas extras pelo seu tamanho.
-- Diferentes de Construtos, os forjados bélicos não são imunes a atordoamento, dano de habilidade, dano não-letal, encantamento e necromancia.
-- Diferente dos Construtos, os forjados bélicos não possuem visão no escuro.
-- Diferentes de Construtos os forjados bélicos recuperam pontos de vida normalmente.
-- Diferentes de Construtos, os forjados bélicos não são destruídos quando seus PV chegam a 0. Além disso, devido a sua natureza incomum eles se estabilizam automaticamente quando seus PVs ficam abaixo de 0.
-- Como os Construtos, os forjados bélicos são imunes a doença, fadiga, paralisia, sono e veneno.
-- Como Construtos os forjados bélicos não precisam respirar, se alimentar e dormir. Mas ainda recebem todos os benefícios de efeitos de magias e itens mágicos consumíveis, como poções e a magia festim de heróis.
-- Mesmo não necessitando de dormir, forjados bélicos conjuradores necessitam descansar 8 horas para recuperar seus Pontos de Magia.
-- Como Construtos Vivos, forjados bélicos são afetados por magias que afetem tanto seres vivos como construtos normalmente. Assim, magias como curar ferimentos leves e reparar danos leves funcionam normalmente, como também são vulneráveis a magias como desativar construto. Contudo magias com o descritor cura e habilidades especiais que curam PVs, só geram metade dos efeitos nos forjados bélicos.
-- Devido a sua construção incomum, os forjados bélicos são afetados pelas magias esfria metal, esquentar metal, repelir madeira, repelir metal ou pedra, e toque enferrujante, como estivesse usando armaduras de metal ou itens de madeira e pedra, mas ele tem o direito ao um Teste de Resistência de Reflexos, para receber metade do dano ou evitar os efeitos. Além disso, como as magias moldar madeira, moldar rocha, rocha para carne e torcer madeira só afetam objetos elas não afetam os forjados bélicos.
• Placas Compostas. Forjados bélicos possuem estruturas metálicas no seu corpo que fornecem +2 na CA igual a uma Armadura, por isso eles não podem usar qualquer tipo de armadura ou veste que forneça esse tipo de bônus. E essas placas podem ser encantadas como armaduras, mas o forjado bélico deve está presente o tempo todo do processo.

Além disso, essas placas são simples demais para interferir nos gestos ao lançar qualquer magia, assim forjados bélicos conjuradores arcanos não precisam fazer teste de Identificar Magia ao lança-las.
• Fortificação Leve. Forjados bélicos possuem 25% de chance de ignorar um acerto critico ou ataque furtivo, devido às estruturas rígidas de seus corpos.
• Pancada. Forjados bélicos possuem um ataque natural de Pancada (dano 1d4, contusivo). Um forjado bélico pode executar um ataque adicional por rodada com a pancada, mas provoca penalidade de –4 em todos os ataques (incluindo este).

Novo Talento. 
Chapeamento aprimorado. 
Descrição:  Forjados bélicos e construtos que peguem esse aprimoramento  recebem um bònus de +5 na CA.
Especial: esse talento só pode ser comprado uma vez

Chapeamento Maior
Pré requisito:  10 dados de vida, chapeamento aprimorado
Descrição:  Forjados bélicos e construtos que peguem esse aprimoramento  recebem um bònus de +10 na CA.
Especial: esse talento só pode ser comprado uma vez

Dominio do Artesão
Você é um devoto de Vince, Recebendo suas graças.
Pré-requisitos: Capacidade de conjurar magias divinas, Ser devoto de Vince. Benefício: Você pode usar a magia reparo sem limite por dia.
Talentos Construídos.

Blindagem Reforçada
Você colocou mais placas na sua blindagem, tornando-a mais impenetrável.
Pré-requisitos: Constructo, Usar Armaduras (Médias).
Benefício: Você recebe +2 na Defesa de armadura, alem disso para todos os efeitos você conta como se estivesse usando uma armadura média com as seguintes características (Armadura Média, Obra-Prima, Defesa +4, -2 de penalidade de Armadura em Pericias, Máximo de destreza na CA +4, , Deslocamento -1,5m)

Blindagem Total
Você se trancou na sua blindagem, tornando-se impenetrável.
Pré-requisitos: Constructo, Usar Armaduras (Pesadas), Blindagem Reforçada.
Benefício: Você recebe +2 na Defesa de armadura (cumulativo com o feito anterior), alem disso para todos os efeitos você conta como se estivesse usando uma armadura pesada com as seguintes características (Armadura Pesada, Obra-Prima, Defesa +6, -4 de penalidade de Armadura em Pericias, Máximo de destreza na CA +1)

Blindagem Especial
Você é construido de um material diferente do convencional, sendo assim você recebe os benefícios inatos desse material.
Pré-requisitos: Constructo, Usar Armaduras (Leve ou mais pesada).
Benefício: Sua blindagem é feita de qualquer material especial a sua escolha. Escolhas comuns são Adamantiun, Mitril ou mesmo a madeira mágica de Tollon. Você deve pagar o equivalente a uma vez e meia o custo do material para a sua blindagem (1,5 vezes o custo do material para a blindagem que você possui). A critério do mestre ele pode permitir que no primeiro nível (e apenas nele) você não precise pagar pelo material, mas é preciso pagar caso adquira esse talentos em niveis posteriores.
Você pode trocar o material da sua armadura com uma semana de trabalho ininterrupto para que todas as partes sejam substituidas. Caso você tenha recebido algum bônus mágico permanente por implemento de armadura, o mesmo se mantêm na nova Blindagem.
Para todos os efeitos você possui uma armadura do material em questão, mas cada material tem seus próprios efeitos, por exemplo uma blindagem de Mitril conta como se fosse uma categoria de tamanho mais leve e aumenta o máximo de Destreza na CA possível.
Para todos os efeitos seu ataque de Pancada vence redução de Dano para qualquer material que é feito sua Blindagem.
Não é possivel de beneficiar de nenhuma forma de duas propriedades de material especial ao mesmo tempo (não, nada de fazer apenas as mãos de Aço-Rubi e o resto do corpo de Adamantiun). Mesmo que seja usado algum tipo de liga apenas um material (normalmente o mais volumoso) é contato como material de seu corpo.

Forma Especial
Você é construido em uma forma diferente de Humanóide.
Pré-requisitos: Constructo, mais de 5 DVs (ou 5 níveis em qualquer Classe).
Benefício: Você pode escolher uma habilidade da forma alternativa do druida. Para todos os efeitos você possui a habilidade em questão. Note porem que sua forma muda, assim um Constructo com Rapidez (+9 metros de Deslocamento) será um quadrupede.
Esse feito pode ser pego múltiplas vezes, mas cada vez deve ser pego uma habilidade diferente.
Espinhos
Você tem espinhos (retrateis ou não a sua escolha) que podem ser usados.
Pré-requisitos: Constructo.
Beneficio: Se você for agarrado ou agarrar alguem imediatamente faz um causa 1d6+for de dano. Não é preciso jogada de ataque para acertar (o agarrar conta como ataque bem sucedido). Qualquer bônus mágico da sua blindagem conta como bônus de dano.

Implemento
Você tem locais no seu corpo especificamente preparados para receber itens.
Pré-requisitos: Constructo.
Beneficio: Você pode imbutir no seu corpo um total de 5 itens quais quer que somados não custem mais de 100TOs. Esses itens não podem ser roubados de você. Caso seja uma arma ela provavelmente vai substituir uma de suas mãos, impedindo que ela seja desarmada.
Coisas mundanas, mas praticas, como cordas, lanternas e frascos de óleo são escolhas tradicionais.
É possível escolher esse talento multiplas vezes, cada vez que for feito você pode implementar itens mais caros. Primeiro 250TOs (costuma-se ser varinhas), 500TOs (vários Óleos e Ungüentos), 1000TOs (Itens Mágicos), 2500TOs, 5000TOs e, com 6x 10000TOs.
Esses Itens e APENAS ELES, podem ser sacados imediatamente, como se você tivesse o feito Saque Rápido.
Pedimos um mínimo de bom senso. Embora uma escada de 30 metros seja mais barata que os 100TOs citados é claro que um robô de 2 metros não pode imbuti-la no corpo.
Lembre-se, ter lugar para colocar os objetos não garante que você tenha o objeto. É preciso compra-lo normalmente. Alem disso você pode trocar os itens a sua escolha. Assim você pode tirar o kit de ladinagem que você carrega na manopla da mão por uma besta leve que você carrega preso a perna (qualquer semelhança com Homem de Ferro ou Robocop é mera conhecidência)

segunda-feira, 15 de outubro de 2018

Nova magia: Acaso Protetor

Nível: Arcana 4, Divina 4 (divinação)
Componentes: V, G
Tempo de Execução: Ação padrão
Alcance: Médio
Alvo: 1 criatura
Duração: 1 turno/nível ou até descarregada
Teste de Resistência: Nenhum
Apelidada por seus usuários de "Efeito Dominó", essa magia foi criada por Neruite, deusa do sono e filha de Tenebra - e de Nimb, afinal - para seus clérigos e pessoas de sua confiança, em particular magos e clérigos de outros deuses menores ligados a seus planos de, com a ajuda da cidade de Portal, representar outros deuses e subir ao Panteão. Enquanto essa magia estiver em funcionamento, o alvo pode escapar de um número de acertos ou acidentes (uma queda de um lugar alto, por exemplo) um total de vezes igual à metade do nível do conjurador arredondada para cima. A maneira como isso ocorre, caso o alvo seja personagem de um jogador, é definida pelo jogador com a permissão do mestre, mas não serve para eliminar ameaças ("a corda do arco do arqueiro inimigo se partiu") ou para jogá-las umas contra as outras ("o arqueiro inimigo atingiu o conjurador deles bem no olho"), e sim para evitá-las ("o arqueiro espirrou bem na hora em que ia atirar e errou"). O jogador do alvo escolhe quando utilizar as cargas dessa magia, mas essa utilização tem de se dar no máximo logo após o cálculo do dano de um ataque ou do resultado de um acidente ou correlato - e não "na ação seguinte", por exemplo.

criador João Lucas

Os relatos de Delta


Há 200 anos houve uma guerra.  Fomos enviados para combater os inimigos de nosso mestre.  Éramos cerca de Cem leais e devotos servos do nosso mestre.  Fomos criados pór ele, em nossos interiores elementais foram fundidos a nossa essência, trazendo vida aos nossos corpos metálicos. Não me lembro de muito daquela época, de minha queda lembro apenas de fogo e garras vindos de um imenso dragão.
Acordei cem anos atrás. Mashins como eu não se curam como pessoas normais. Eu estava muito danificado ao ponto de ficar inconsciente de forma excessiva. Mas acho que tive mais sorte do que outros, o meu Elemental interno estava fraco, mas não se dissipou. Por isso Quando oum mago humano lançou seu relâmpago na área onde eu estava eu despertei.
Com certeza eu não estava mais no local onde havia combatido. E possivelmente jamais saberei o que meu corpo estava fazendo no tesouro daquele jovem dragão vermelho. Mas o que sei é que acordei e meu primeiro instinto foi o de combater o dragão. O combate foi difícil, e posso dizer que fui novamente danificado, mas os relâmpagos    do jovem mago  me restauravam  enquanto que danificavam o dragão. Apesar de todos os nossos  esforços o  dragão   fugiu, abandonado  tesouros  e seu covil.
Foi após a  fuga do dragão, que eu os conheci, Argonitus, um  minotauro imenso de pele negra e pelos brancos e, com uma face de búfalo. Alexia, uma jovem humana de olhos verdes e cabelos rubros.  Adelard, um humano que conjirava magias e que tinha seu corpo todo tatuado e uma runa mágica brilhante em seu peito. Anos mais tarde eu consegui entender que ele era um Quaren, o que pra mim na época era algo incompreensível. Atlan Era um goblim, que possuía uma serie de criações mecânicas de pouca duração. Bruen OR Hamerfield era um anão que possuía um cavanhaque comprido, mas que barbeava as laterais do rosto e a parte de cima do lábio, o que chamam de bigode. Era careca e seus pelo facial era loiro claro com alguns fios vermelhos no centro.  Seu cavanhaque terminava em uma serie de tranças que tinham jóias presas.
Esses foram meus salvadores, aqueles que me trouxeram da beira do esquecimento, e foram os meus primeiros amigos. Cada um deles me ensinou algo importante. Bruen Or me ensinou sobre o mundo e sobre as terras abaixo do mundo. Contou-me historias sobre A deusa da noite e sobre seu esposo khalmyr.   
Com alexia aprendi a rastrear e a andar furtivamente nas florestas, ainda não sou bom nisso. Com Adelard aprendi a conjurar magias, me tornei um exímio conjurador. Continuei aprendendo após sua partida.
Forma anos de aventuras, exploramos templos combatemos cultistas. A maior parte dos lugares que visitávamos eu era tratado pelos outros como se eu fosse algo, um golem uma propriedade. Mas meus amigos sempre me tretaram como um deles.
O dragão vermelho retornou muitas vezes. Ele cresceu coo os dragões crescem, em alguns momentos enviou servos, pos recompensas contra nós.  E assim com o tempo meus amigos foram ficando mais velhos mais experientes.  Alexia se casou com Adelard, e tiveram alguns filhos.  Argonitus conheceu uma elfa de nome Salunar, e casou com ela e tiveram duas meninas lindas. Bruen Or se casou com uma medusa. O tmepo passou e as crianças esses meus amigos seguiram adianteem suas vidas, apenas um dos infantes se tornou um aventureiro.
O tempo passou e a morte chegou para cada um deles, Bruen Or e seua esposa morreram quando o dragão incendiou a casa que dormiam durante uma noite sem lua. Argonitus morreu de idade avançada, já incapas de erguer se sozinho. Salunar partiu há muito tempo, logo depois de sua morte... Alexia e Adelard viveram pouco mais que os amigos, mas morreram de velhos. Chegaram a conhecer os bisnetos. Um dos jovens se tornou paladino de Khalmyr. Viajou por muitos lugares e sempre vinha aqui me contar suas façanhas e aventuras.  Envelheceu, casou teve filhos. Morreu em ma batalha na costa de bielefeld. Nunca soube o que foi que o matou. Apenas a noticia de sua morte chegou aqui. Através dos descendentes de Atlan.  Bruen Or me disse certa vez que goblins reproduziam como baratas. E creio que isso seja verdade.
Agora você esta aqui Omega. Não é o primeiro de nossos irmãos que encontro com o tempo. Éramos centenas naquela batalha. Quando éramos objetos a ser descartados por nosso senhor.  Lembro-me do nome que alguns humanos o chamavam, Tako Kaneda, ou conhecido também como Forjador de Combatentes. Encontrei alguns de nossos irmãos, alguns tão danificados que destruir e permitir que a centelha seguisse seu rumo fosse um ato de piedade. Outros tão enlouquecidos pelo tempo que consideravam que todos os seres não mashins deveriam ser destruídos. Chacinaram vilas inteiras, e foram destruídos, alguns por nós, outros por exércitos do reinado. Dizem que alguns de nossos cadáveres forma adquiridos por colecionadores de toda arton. E alguns rumores dizem que o Mago Aasimov paga recompensas por nossos irmãos que sejam capturados. Alguns de seus seguidores vieram aqui algumas vezes. Mas eu sou mais do que apto a eliminar esses tolos.
Meu destino é o de proteger os túmulos dos meus amigos que se foram, sou o guardião de seu túmulo. A muito esqueci os tempos da guerra, os desejos de Kaneda, ás vezes sinto falta das brincadeiras com os infantes. Nada aquece mais a alma, que risadas de infantes. Talvez no futuro, eu ensine jovens aprendizes.  Volte a brincar e ouvir risadas de infantes. Talvez no futuro  eu lute contra  Axtalathagartnax o vermelho e vingue  Bruen Or e sua esposa.  
Talvez eu reconstrua as ruínas acima.
 Tudo o que sei é que esse não é o momento.  Que essa não é a hora. Que a sua presença e de seus amigos é um pequeno momento de luz em um período de melancolia. 
Obrigado Omega por me fazer relembrar meus amigos. Obrigado por me ajudar sentir um pequeno calor na alma em uma período de distanciamento. Que  Khalmyr o proteja, que Tenebra o guie na escuridão.  E que as profecias sobre vocês se tornem  plenas.