quarta-feira, 11 de maio de 2011

Cormanthor - A Corte Elfica







O Sonho de Cormanthyr
Clique na imagem para ampliar
Enquanto Netheril escalou a seu zênite no que é agora o deserto de Anauroch, a maior civilização élfica que Faerûn conheceu surgiu na Grande Floresta ao leste. O império de Cormanthyr se estendia dos Chifres da Tempestade até a Orla do Dragão. Sua capital era Myth Drannor, a Cidade da Canção, que produziu maravilhas de magia, arte e poesia.

Comparado com as civilizações élficas da era das Guerras da Coroa, Cormanthyr caiu, comparando-se, recentemente. Muitas de suas ruínas ficam nas profundezas da floresta conhecida como Cormanthor, e numerosos habitantes de Myth Drannor ainda estão vivos de uma forma ou outra. Tanto Elminster do Vale das Sombras quanto Khelben "Cajado Negro" Arunsun eram fortemente envolvidos nas políticas da cidade, ainda são personagens importantes em Faerûn, e muitos dos demônios e diabos envolvidos no saque da cidade ainda vagam em seus covis pérfidos no Abismo e os Nove Infernos.

De muitas formas, a passagem de Cormanthyr representou o fim de civilização élfica em Faerûn. Nunca novamente irá surgir um grande império élfico no continente. Os bolsões de poder élfico que ainda existem nos dias de hoje – Evereska, Encontro Eterno e as florestas de Tethyr – são apenas sombras da grandeza de Cormanthyr.

A influência infernal foi um forte fator na queda de Cormanthyr. Outros impérios foram derrubados por guerras civis, políticas internas ou externas e inimigos monstruosos, mas a queda de Cormanthyr foi em grande parte devido o trabalho manual de forças diabólicas. Demônios poderosos de todas as tendências malignas ainda habitam as ruínas de Cormanthyr junto com seus servos e lacaios menores, e Myth Drannor abunda razoavelmente com os habitantes dos Planos Inferiores. As ruinas de Cormanthyr infestadas de demônios são um excelente modo de trazer um elemento de terror sobrenatural (ou o velho clichê de invasão de demonios) em sua campanha.

Canções e Histórias
A história de Cormanthyr começa com as seis nações élficas que se juntam para formar o império.

De Reinos para Império
Depois de lutar as viciosas Guerras da Coroa, a Corte Élfica se tornou o primeiro assentamento permanente em Arcorar (a floresta que se mais tarde se tornaria Cormanthor). Embora nunca tenha sido muito povoada, não obstante a Corte Élfica foi um importante e poderoso assentamento élfico no continente Faerûn.

Enquanto isso, a noroeste da Corte Élfica, a civilização dos elfos da Floresta Rystall era um selvagem e despreocupado reino no que é hoje a Floresta da Fronteira. Embora a Floresta Rystall tenha sobrevivido durante muitos séculos, pouca evidência física de sua existência permanece, já que os elfos da floresta construíram poucas estruturas permanentes.

No coração da Grande Floresta, os cidadãos predominantes do assentamento de elfos do sol conhecida como Jhyrennstar usaram magia poderosa para cultivar as árvores a alturas fenomenais. Ao sudoeste, refugiados de Aryvandaar fundaram a nação de Uvaeren.

Outros assentamentos élficos naquele momento incluiram Yrlaancel, uma pequena cidade-estado perto da borda da Floresta e Abrigo de Sember, um refúgio para as mães, crianças e anciões da Corte Élfica. Destas seis terras, nasceu o grande império de Cormanthyr.

Guerra e Paz
Ao longo dos milênios que se seguiram após as Guerras da Coroa, os seis reinos de Arcorar floresceram e cresceram, apesar de ataques intermitentes feitos por goblins, orcs e drows. Os magos e druidas de Jhyrennstar criaram as árvores de seu reino em tamanhos incríveis. Os elfos de Uvaeren construíram bibliotecas de beleza e complexidade legendária, não só armazenando informação em livros, mas também em complicados constructos mágicos, mosaicos ornados e flautas cristalinas que carregaram a informação através da música. Os elfos da Corte Éflica estabeleceram seu primeiro contato com os anões durante este periodo, e depois de algumas disputas sobre os direitos extração de lenha na Grande Floresta, as duas raças formaram uma aliança.

O primeiro desastre foi uma catástrofe conhecida como as Doze Noites de Fogo. Um meteoro atingiu Arcorar, obliterando Uvaeren e matando a maioria de seus habitantes, inclusive o coronal e quase todos os membros das casas nobres. A explosão do meteoro provocou incendios que destruíram uma vasta área da floresta, cortando a Floresta Rystall do resto do Cormanthor. A maioria dos sobreviventes migrou para Abrigo de Sember ou Jhyrennstar.

A ameaça seguinte para os reinos de Arcorar veio de debaixo da terra. Hordas de drow e duergar emergiram para a superfície atraves dos túneis do Subterrâneo e atacaram o coração da Corte Élfica. Devido a tradição exigir que os elfos e seus aliados anões deixassem de lado suas armas naquele local, mais de trinta clãs de Elfos e Anões perderam seus líderes no ataque inicial. Os habitantes do Subterrâneo conquistaram o reino Anão de Sarphil e arrasaram e saquearam a Corte Élfica.

Enquanto os drow se regozijavam em suas cavernas, a Floresta Rystall se declarou completamente independente do resto de Arcorar, e os elfos restantes lutaram para encontrar um propósito comum. A união parecia a única resposta, mas permaneceu uma meta elusiva. Finalmente, o Coronal Oacenth, de Jhyenstarr, entonou uma profecia enquanto morria de uma doença. "Se sobreviveremos como um Povo", disse ele, "um coronal deve jurar unificar as tribos desta grande terra. Um coronal deve unificar sol e lua, céu e mar, e árvore, raiz e terra, para que todos possam alcançar uma longa paz duradoura e força em unidade".

Por ordem do Coroanl moribundo, os jovens nobres que buscavam sucedê-lo competiram em vários testes para determinar seu mérito. Os alto magos que haviam sobrevivido ao massacre na Corte Élfica fizeram três artefatos poderosos conhecidos como as lâminas elficas. Kahvoerm Irithyl empunhou a Lâmina da Coroa durante uma grande cerimônia de alta magia, tornando-se o primeiro Coronal das Terras Unidas de Arcorar, que ele renomeou de Cormanthor. Na morte de Coronal Oacenth, o Coronal Kahvoerm declarou que as terras de Cormanthor eram uma coisa só, um único reino e um povo único e unido. Ele passou quinze anos vagando pela floresta antes de mergulhar a Lâmina da Coroa em uma pequena colina revelada a ele em uma visão. A magia da espada invocou uma torre alta e branca que ele nomeou de Torre da Regência. Este edifício se tornou o centro da grande cidade de Cormanthor.

Era da Contenda
Nycaloths
Os três mil anos seguintes trouxeram uma rápida expansão para Cormanthyr, bem como também discória e luta. Orcs invasores vindos de Vastar representavam uma ameaça constante, assim como a reaparição dos drow de Maerimydra e a queda meteórica de Netheril. Quando os elfos Eaerlanni começaram secretamente a contrabandear os escravos gnomos para fora de Netheril, o povo de Cormanthyr ajudou estes refugiados em sua fuga.


O Belo Povo estava preocupado demais para se arriscar em guerra aberta contra Netheril por roubar um conjunto de pergaminhos de nether, mas os Netherese nunca descobriram a identidade dos ladrões. Os Khovanilessa (Trio Abominável), três nycaloths  (Aulmpiter, Gaulguth, and Malimshaer) [Monster Manual 3] invocados pelos arcanos de Netheril, invadiram Cormanthyr durante este período e foram aprisionados através do uso alta magia élfica.
 A Floresta Rystall caiu perante orcs e gigantes, em parte devido às tendências isolacionistas dos elfos da floresta e sua recusa em se aliar aos humanos de Hlondath e Asram.

A Era da Aliança
O Coronal Eltargrim, vendo as perdas que as boas pessoas de Faerûn tinham sofrido por causa da recusa delas em se unir, tornou-se determinado a impedir que um destino semelhante acontecesse com Cormanthyr. Apesar da forte oposição da nobreza, ele chamou os líderes das tribos humanas que moram nos vales próximos a Cormanthor. Depois que um ano inteiro de discussão e negociação, os elfos e humanos forjaram uma aliança – o famoso Acordo dos Vales. Este acordo prometeu paz e amizade entre humanos e os elfos e concedeu para os homens dos vales o direito de morar nas clarreiras de terra ao redor de Cormanthor, contanto que eles cortassem apenas árvores mortas e arbustos da floresta.

O Acordo dos Vales e a colocação da Pedra do Acordo ocorreram na noite de solstício de inverno do mesmo ano, marcando o começo do calendário do Computo dos Vales. Vinte anos depois, o feriado élfico de Cinnaelos Cor (Dia da Paz de Corellon) foi acrescentado ao Calendário de Harptos como sendo o Encontro dos Escudos.

Coronal Eltargrim passou muito tempo contemplando o juramento dos futuros coronais exigido pelo moribundo Coronal Oacenth – particularmente a promessa de "unificar as tribos desta grande terra". Depois de devida consideração, ele chegou à conclusão controversa que Oacenth tinha pretendido incluir naquela frase os não elfos. Ele começou o cumprimento deste voto abrindo as fronteiras de Cormanthyr a alguns seletos magos, druidas e colonos não elfos. Logo depois disso, Elminster Aumar, Príncipe de Athalantar, chegou usando a telkiira da nobre Casa Alastrarra, que havia sido concedida a ele por seu moribundo Rei. O retorno deste item marcou o próximo passo de dar boas-vindas a outras raças em Cormanthyr.

A missão de Elminster era de aprendizagem, mas muitos elfos não puderam agüentar um humano que usava um telkiira "roubado" na cidade. Apesar da declaração do Coronal Eltargrim de que o mago era Sha-quessir (um amigo dos elfos), muitos o viram como um presságio de destruição. Elminster foi arrastado pelas políticas das casas nobres, muitas das quais buscaram um trunfo para bloquear o plano de Eltargrim para a unificação das raças. Graças à inteligência do jovem mago e da orientação de Mystra, os planos falharam em interromper a integração de Cormanthyr. Quando os altos magos élficos de Mythanthor ergueram o mythal sobre á cidade, Eltargrim renomeou a cidade para Myth Drannor e abriram esta a todas as raças boas de Faerûn. Alguns nobres Elfos escolheram deixar a cidade ao invés de partilhá-la com as raças “inferiores”, mas muitos mais permaneceram, ansiosos em ver o resultado do grande experimento de Eltargrim.

A Glória de Myth Drannor
Nos séculos que se seguiram, os defensores de Myth Drannor superaram as tensões raciais, os ataques orcs e o renascimento de um Culto a Moander. Demron criou suas seis lâminas da ruína durante este período, e o elfo do sol Saeval Ammath retornou de uma expedição nas montanhas ocidentais portando um ovo de dragão vermelho. O chocar subseqüente de Garnetallisar e o crescimento dele como um ser honrado era uma inovação maravilhosa, mas sua presença conduziria mais tarde ao cumprimento das condições necessárias para libertar o Trio Abominável. Josidiah Starym desceu ao Subterrâneo para recuperar a Lâmina da Guerra e provou o seu valor ao coronal, cuja herdeira ele desejou desposar.

O Declínio

A partida de Srinshee
Quando o Coronal Eltargrim morreu, Cormanthyr havia alcançado o ápice de seu poder e glória. Cidades irmãs foram estabelecidas ao longo da floresta de Cormanthor e até mesmo em locais distantes em outros lugares de Faerûn. Eltargrim transcendeu a Arvandor através de um ato consciente de sabedoria durante o Festival de Solstício de Verão, sentindo que este era o final de seu longo trabalho. O sonho de Cormanthyr era uma realidade, e todas as tribos da Grande Floresta viviam e trabalhavam em harmonia. Mas antes que o período de luto exigido tivesse terminado, o herdeiro de Eltargrim, Aravae Irithyl, foi assassinado. O culpado foi Illitrin Starym que temia que o amado Aravae retornasse e o removesse da liderança da Casa Starym. A deslealdade de Illitrin nunca foi descoberta.

Depois do assassinato de Aravae, as casas nobres pressionaram para que se terminasse os Dias de Luto e fosse escolhido um sucessor imediatamente. Mas a elfa da lua maga conhecida como o Srinshee, agora de fato a regente de Cormanthyr, tomou para para si resolutamente os desejos de Aravae, principalmente porque a preparação da alta magia necessária para a cerimônia de sucessão que levaria o ano restante e a metade dos Dias de Luto, pelo menos.

Pela primeira vez na história de Cormanthyr, a sucessão estava aberta a qualquer nobre ou cidadão. Finalmente, quando a hora chegou para a Cerimônia de Reivindicação, nenhum elfo do sol sobreviveu ao toque da Lâmina da Coroa. Quando as outras raças exigiram suas chances para tentar a espada, muitas das casas de elfos de sol recorreram a assassinatos e violências abertas contra qualquer um que percebessem como candidatos potenciais. O sonho do Coronal Oacenth foi esmigalhado junto com a Torre da Regência, que foi destruída em uma batalha de magia elfica.

Finalmente, no anoitecer do sexto dia após o Solstício de Verão, Srinshee falou para todas as pessoas de Myth Drannor. Em uma voz pesada pela aflição, ela falou para as pessoas de Cormanthyr que eles tinham esquecido do sonho do Coronal Oacenth e a realidade que o Coronal Eltargrim havia feito. Ela anunciou sua intenção de empunhar aLâmina da Coroa ela mesma, e para o assombro de muitos, ela obteve sucesso. Os elfos do sol que tinham lutado amargamente para manter o ofício de coronal nas mãos da suas próprias famílias reagiram violentamente ao sucesso de Srinshee e lançaram ataques mágicos potentes contra ela, que falharam totalmente.

Finalmente, com lágrimas de aflição para as divisões que haviam separado Cormanthyr, Srinshee anunciou que ela não seria coronal – e que nenhum coronal regeria até que as tribos da Grande Floresta estivessem verdadeiramente unidas e o sonho de Cormanthyr habitasse nos corações de todos os seus cidadãos. Como seus últimos atos em Myth Drannor, Srinshee reconstruiu a Torre da Regência, através de uma impressionante exibição de alta magia, criou até mesmo uma maciça Torre de Diamante para servir como o símbolo de uma Cormanthyr unificada. Depois de urgir para seu povo uma última vez para manter funcionando uma terra verdadeiramente unificada de elfos e de não elfos e prometer retornar quando aquela esperança fosse percebida, Srinshee desapareceu da face de Faerûn junto com o a Lâmina da Coroa e a Torre de Diamante. Nenhum deles foi visto desde então.

A Queda
Com a perda do Coronal Eltargrim, de Aravae Irithyl, de Srinshee e da Lâmina da Coroa, a verdadeira queda de Myth Drannor começou. Um corpo representativo chamado Conselho dos Doze assumiu a liderança de Cormanthyr, mas seus membros eram propensos a brigas e politicagem insignificante. Cormanthyr rapidamente se tornou mais parecida como uma confederação frouxamente aliada de cidades soberanas do que uma única e coesa nação. Para aumentar os problemas da cidade, a expansão colonial que tinha gerado cidades como Lua Argêntea começou a puxar vários dos melhores e mais brilhantes magos e trabalhadores para longe de Myth Drannor, causando uma estagnação gradual da arte e da magia que sempre tinham sido suas marcas principais.

Talvez mais significativamente, o respeito inter-racial e amizade para qual Myth Drannor havia sido justamente famosa começou a se corroer logo após a morte do coronal. Várias das casas nobres da cidade migraram para enclaves puramente élficos, e os humanos e anões compraram as vilas desocupadas por eles. Esta tendência fez outros clãs de elfos temer que os não elfos estivessem se apropriando de toda a terraem Myth Drannor, então muitos deles partiram. Assim, o êxodo dos elfos criou um efeito dominó que enfraqueceu consideravelmente a Cidade da Canção.

Nas décadas que se seguiram à trágica Cerimônia de Reivindicação, a Cidade da Canção (e, de fato, toda Cormanthyr) se dividiu em numerosas facções políticas, formando uma teia de intrigas complicadas e mortais que rivalizou com qualquer corte drow. As casas nobres começaram a competir entre si por poder e influência. Sem a orientação de Srinshee, os magos da corte separamram-se para seguir caminhos diversos. Vários dos magos mais antigos se separaram para formar um grupo chamado o Srinnala Eterna, que se dedicou a seguir os desejos que Srinshee havia expressado antes de desaparecer. As guildas comerciais também começaram a disputar entre si. Surpreendentemente, os clérigos da cidade agiram como um. Mesmo venerando Corellon, Moradin, Yondalla, Garl Glittergold ou quaisquer das incontáveis divindades humanas, os clérigos conduziam a cidade para o melhor que podiam durante estes anos perturbados.

O Akh Velahr foi construído, e seus soldados foram treinados para se aproximar da perfeição em antecipação a uma guerra civil entre os grupos de poder zangados dentro da cidade. Aquela guerra nunca aconteceu, mas esta ameaça deixou o exército bem preparado para o Exército da Escuridão.

A Guerra das Lágrimas
Apesar de toda sua discussão interna, Myth Drannor poderia ter encontrado novamente a paz possuída se o Trio Abominável não retornasse. O três nycaloths – Aulmpiter, Gaulguth e Malimshaer - haviam ficado em sua prisão mística durante quase dois milênios, planejando sua vingança. Finalmente, o vôo da dragonesa vermelhaGarnet acima do trono do coronal cumpriu a condição para a liberação deles, e um xamã gnoll do mar da lua pôde invocá-los novamente. Assim que foram libertados, os três demônios puseram seus planos em execução. Ruthlessly, que se estabeleceu como o líder de dúzias de tribos de humanoides selvagens, usou uma combinação de magia, força bruta e terror completo para organizar as tribos discrepantes de orcs, goblins, ogros, bugbears e outros monstros em um único exército coeso, que os elfos denominariam mais tarde como o Exército da Escuridão.

Enquanto o Trio Abominável estava reunindo seu exército, o povo de Cormanthyr estava ocupado com outros perigos.  Depois de muitos séculos de inatividade relativa, os drow tinham seguido mais uma vez o caminho da guerra e retomaram a Torre Retorcida dos adoradores de Eilistraee. Durante os vários anos seguintes, eles saquearam as fronterias noroeste de Cormanthyr e até mesmo atacaram ocasionalmente Cormyr e os Vales. Embora nunca estivesse claro se os drow tinham predito ou tomado conhecimento sobre o Exército da Escuridão, eles sempre estavam em uma posição excelente para explorar a guerra próxima para seus própriosbenefícios.

A Guerra das Lágrimas, como os elfos chamaram a campanha que conduziu a queda de Myth Drannor, começou no Ano dos Elfos Desesperados (711 CV). Em seu movimento de abertura, chamado de Massacres do Norte, o Exército da Escuridão invadiu as fronteiras ao norte de Cormanthyr. Uma reversão da sorte aconteceu durante os dois anos seguintes, quando as forças de Cormanthyr conseguiram matar dois dos nycaloths que comandavam o Exército da Escuridão e retomaram a Corte Élfica. Mas enquanto estes atos valorosos compraram tempo para os cidadãos de Myth Drannor evacuarem a cidade, as forças reunidas do Akh Velahr estavam sem nenhuma posição para rechaçar o Exército da Escuridão porque, graças a intervenção dos drow, Cormanthyr não pôdereceber nenhuma ajuda de seus aliados em Evereska, Encontro Eterno e Lua Argêntea.

A Guerra das Lágrimas terminou no Ano da Destruição (714 CV) com o Cerco das Sombras, no qual o Exército da Escuridão montou um cerco ao redor da cidade propriamente dita. Myth Drannor finalmente foi tomada e saqueada, embora Aulmpiter, o último dos três lordes nycaloth, tenha morrido nas mãos do Capitão FflarFronte Estelar Melruth.Com a destruição do Trio Abominável, o Exército da Escuridão perdeu sua direção e liderança. Muitos dos humanóides dispersaram-se e retornaram às suas pátrias; outrosfizeram novas tocas nas ruínas de Myth Drannor.
A capital de Cormanthyr foi movida de volta para seu antigo local na Corte Élfica, mas o grande reino dos elfos nunca alcançou novamente seu antigo tamanho. Devido a muitos dos nobres culparem os não elfos pela queda do império, humanos, anões e membros de outras raças já não eram mais bem-vindos a Cormanthyr. 
Uma aldeia de comércio chamada Árvore Élfica foi estabelecida para permitir o comércio necessário, mas o sonho de união do Coronal Oacenth teve seu fim. Depois de séculos de declínio, osanciões da Corte Élfica começaram a Retirada, deixando Cormanthor uma floresta virtualmente despovoada dentro de três décadas.

Hoje, os drow que habitam a superfície – em grande parte os adoradores de Vhaeraun e outras divindades drow, exilados pelas sacerdotisas de Lolth – reivindicaram uma grande seção de terra em Cormanthyr, inclusive uma parte da Corte Élfica.

3 comentários:

  1. Muito legal ver mais material sobre Forgotten Realms! ^^
    Eu tenho um site sobre esse cenário só que mais adaatado para o sistema de regras que eu uso de Gurps

    ResponderExcluir
  2. Oh, muito boa a matéria. Estou para formar uma campanha alterando algumas coisas da floresta (passo 1, destruir o resto dos elfos no Lago Sember) e isto realmente serviu como inspiração.

    ResponderExcluir
  3. Poxa Fernando, graças a vc eu estou conhecendo muito mais sobre esse cenario tão fantastico (pena que estragaram tanto ele na 4ºedição, mas tudo bem deixa pra la né), adorei essa matéria, parabens mais uma vez.
    Fico no aguardo do pdf.
    vlwwww

    Edsonpinheirob@hotmail.com

    ResponderExcluir