sábado, 12 de agosto de 2017

Encontro Eterno


Encontro Eterno, as vezes conhecida como a Ilha Verde, é o destino final para todos os Tel’Quessir não drow de Faerûn. A partir de 1.368 CV, a ilha fica sob o reinado de Amlaruil Flor Lunar, uma elfa da lua e viúva de Zaor Flor Lunar, um usuário da lâmina lunar que foi morto por um elfo do sol. Ela governa na capital de Leuthilspar, que é o lar de muitas casas proeminentes de Tel'Quessir, incluindo os Durothils. Encontro Eterno é visto como o último reino verdadeiro dos Tel'Quessir, que muito poucos não-elfos já foram autorizados a visitar.
A partir de 1.479 CV, Encontro Eterno existe principalmente na Agrestia das Fadas e as cidades habitadas quase desapareceram do Plano Material Primário. A rainha Amlaruil Flor Lunar desapareceu, e um Conselho Real governa em seu lugar. No entanto, a paisagem natural da própria ilha permanece no Plano Material Primário, embora desabitada e com fortes laços com sua contraparte feérica.
Às vezes a ilha atua como um cruzamento entre a Agrestia das Fadas e Faerûn. Ela só pode ser alcançada (de e para o Plano Material Primário) sob as estrelas por uma rota oceânica secreta.
Geografia
O norte da ilha é composto por terrenos acidentados com colinas íngremes e cobertas por uma escura floresta de pinheiros.
As cidades notáveis incluem Leuthilspar (a capital), Taltempla, Elion, Ruith, Nimlith e Drelagara. Em uma ilha ao longo da costa leste, fica Sumber, uma grande fortaleza que protege a ilha contra invasores.
História
Muitos tentaram invadir a ilha ao longo dos anos, incluindo os Magos Vermelhos, os Zhentarim, os drow e vários piratas da Costa da Espada e do Mar Sem Rastros.
Em 1.371 CV, uma força invasora liderada por Kymil Nimesin passou pelas defesas da ilha e, finalmente, trouxe a guerra ao retiro élfico. Kymil Nimesin, com a ajuda de Lloth, conseguiu organizar que o Ityak-Ortheel, uma criatura de Malar, fosse trazida para a ilha. Lloth também foi responsável por tornar inoperacionais todos os portais élficos, ligando-os a uma única entidade em uma joia usada por Kymil Nimesin, evitando assim que pessoas notáveis como Laeral Mão Argêntea e Khelben Arunsun prestassem ajuda.
Em 1.374 CV, o Reino Insular foi assaltado por Fadas Demônio. Estes demoníacos Tel'Quessir, que foram presos como um meio de punição por se aliarem a demônios, invadiram a Torre Reilloch, uma torre de magos em Encontro Eterno. Eles buscavam um pedaço de um artefato lendário que, quando tornado inteiro, tinha o poder de liberar o exército preso das Fadas Demônio. Ao fazê-lo, eles plantaram uma jóia de conhecimento contendo informações que nenhuma Fada Demônio poderia acessar, na tentativa de enganar os Tel'Quessir a destravá-la e entregar-lhes a informação. Encontro Eterno enviou oficialmente um exército para Faerûn sob o comando do Lorde Seiveril Miritar, um sacerdote de Corellon Larethian, para ajudar os Tel'Quessir de Evereska e da Floresta Alta em sua luta contra as Fadas Demônio. Depois de repelir com sucesso as Fadas Demônio de Evereska, o exército de Seiveril perseguiu seu inimigo até Cormanthyr.
Em 1.385 CV, quando a Praga Mágica atingiu e devastou Faerûn, o contato foi perdido com Encontro Eterno. Todos os portais permanentes cessaram o funcionamento e os esforços dos outros reinos feéricos em Faerûn para restabelecer o contato falharam, e pensa-se que grande parte de Encontro Eterno foi destruído. O que é pouco se sabe é que Encontro Eterno foi de fato transportado para a Agrestia das Fadas e persiste lá. Somente um eco da ilha física, sem estruturas ou habitantes, permanece em Toril.
Muitos guerreiros se esqueceram do poder que pode ser evocado ao mencionar os nomes dos tênues espíritos de Encontro Eterno, mas muitos guerreiros estão começando a reaprender os poderes da ilha, e alguns, principalmente aqueles do Pacto Feérico, estão se tornando Bruxos de Encontro Eterno. Encontro Eterno concede a estes bruxos poderes melhorados de teletransporte e debilitação de seus inimigos.
Governo
Após a morte de Zaor Flor Lunar, e antes da Praga Mágica, Encontro Eterno estava se tornando uma sociedade matriarcal. A rainha Amlaruil Flor Lunar, a Rainha Triste, governava como monarca e dependia de seu Conselho de Matronas para obter conselhos. Embora a rainha tivesse conselheiros do sexo masculino, nenhum deles fazia parte do tribunal.
O Conselho Superior da Rainha, por outro lado, incluia alguns homens proeminentes. O Conselho consistia no escriba pessoal da rainha Zaltarish, no Almirante Emardin Elsydar, mestre da marinha de Encontro Eterno e no Alto Marechal Keryth Elmonegro, todos os três elfos da lua. O conselho também inclui a Senhora Selsharra Durothil, Matrona da Casa Durothil e a Senhora Ammisyll Veldann, governadora da cidade do sul de Nimlith, ambas consideradas anti-monárquicas declaradas, ambas elfas do sol, bem como o Grande Mago Breithel Olithir , também um elfo do sol e a líder dos magos de Encontro Eterno.
Embora a tradição decrete que o Alto Conselho serve para agradar o Trono Élfico e o atual monarca reinante, os membros nomeados para o conselho são tão tradicionalmente poderosos por direito próprio, e suas opiniões podem nem sempre coincidir com a do rei ou rainha regente.
A partir de 1.479 CV, após os tumultuados eventos da Praga Mágica, a rainha Amlaruil desapareceu e um Conselho Real governa, pelo menos até encontrar um herdeiro adequado. O Conselho Real é composto pelas Senhoras Selsharra Durothil e Ammisyll Veldann, pelo Alto Marechal Keryth Elmonegro, pelo Grande Mago Breithel Olithir, entre outros. Zaltarish, o antigo escriba pessoal da rainha, faleceu.
Tradução Daniel Bart

Nenhum comentário:

Postar um comentário